-->

5 de agosto de 2016

Criança come bombom envenenado que havia sido enviado para a mãe


Na última noite de quarta-feira, 3, uma menina de 2 anos foi internada no hospital Materno Infantil de Marília (SP) após comer um bombom envenenado, que havia sido enviado para a sua mãe junto com uma flor e um bilhete, como se tivesse sido mandado pelo marido. O pai da criança também recebeu um presente igual, como se tivesse sido enviado pela sua esposa. Porém, ele desconfiou do nome da sua mulher, que estava escrito errado no bilhete.

O casal que preferiu não ser identificado, disse à polícia, que a criança passou por uma lavagem estomacal, já teve alta e está em observação. A mãe disse que um mototaxista deixou o doce em sua casa, logo em seguida a sua filha comeu o bombom e foi dormir.

O pai conta que recebeu o presente no trabalho e voltou para casa quando percebeu que a letra não era a da esposa. O pai da garotinha viu que os bombons estavam com uma cor diferente e com um furo. O casal levou a filha imediatamente para o hospital.

Segundo o site G1, a polícia disse que o casal recebeu o presente simultaneamente e abriu inquérito para apurar a tentativa de homicídio. O delegado Amarildo Aparecido Leal disse à imprensa que a rapidez em prestar os primeiros socorros à criança foi essencial para evitar algo pior. Os bombons foram levados para perícia. Os pais dizem que não imaginam que possa ter feito isso. De acordo com a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), a polícia já tem um suspeito do crime e já identificou o mototaxista que entregou as encomendas. O suspeito vai responder por tentativa de homicídio qualificado.

O POVO Online

Lei Maria da Penha faz 10 anos, mas violência doméstica ainda é ameaça


Neste fim de semana, a Lei Maria da Penha completa dez anos. Houve muitos avanços nesse tempo, mas a violência doméstica ainda é uma ameaça. Nos três primeiros meses deste ano, foram 200 denúncias por dia.

Foram anos de agressões do ex-marido. Na pior delas, a professora sofreu traumatismo craniano e teve costelas quebradas. Quando foi prestar depoimento em uma delegacia comum, se decepcionou com o tratamento que recebeu da escrivã.

“E ela disse assim: ‘Mulher, o que foi que tu fez com esse homem para ele fazer tanta barbaridade contigo?’ Aí a dor aumenta, pela pessoa que a gente esperava nos ajudar com a lei, a pessoa acabou nos julgando, entendeu? É como se eu tivesse culpa”, contou.

Na cidade onde ela mora, no litoral do Ceará, não tem atendimento especializado. Segundo o Ministério da Justiça, são só 502 delegacias da mulher em todo o país.

A delegacia é a porta de entrada para quem decide denunciar a agressão. Lugar onde o inquérito vai ser instaurado e a medida protetiva solicitada à Justiça para que o agressor seja afastado e tenha que manter distância da vítima. Mas, muitas vezes, há outros caminhos que a mulher precisa percorrer até conseguir toda a proteção e atendimento de que ela precisa depois da agressão.

A Lei Maria da Penha prevê a criação de uma rede para dar assistência psicológica, social, jurídica e até abrigo às vítimas. Mas, onde ela existe, a distância entre os locais de atendimento é um problema.

“A Delegacia da Mulher em um local, o Centro de Referência da Mulher em outro, a Promotoria, o Poder Judiciário, a Defensoria. Acaba que esse percurso da mulher, na solicitação da proteção, ele é maior e muitas vezes ela acaba desistindo no meio do caminho”, declarou a delegada adjunta da Delegacia da Mulher de Fortaleza, Érika Moura.

Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, foi a primeira cidade do país a concentrar toda a rede de assistência em um único lugar. Desde a inauguração, há um ano e meio, mais de 30 mil mulheres foram atendidas e 800 agressores presos em flagrante.

Em Sorocaba, os homens que praticam violência contra a mulher são encaminhados para um centro de reabilitação: uma das exigências da Lei Maria da Penha. Eles participam de 15 sessões que incluem palestras e acompanhamento psicológico.

“Pode colocar minha cabeça no lugar com ajuda de profissionais, com ajuda de pessoas que têm, nessa cadeira, uma experiência muito maior do que eu”, afirmou um agressor.

Para a Maria da Penha, que motivou a criação da lei, depois de levar um tiro do ex-marido, o principal objetivo já foi alcançado: as mulheres têm incentivo para denunciar.

“É tanto que o número de denúncias tem aumentado. O exemplo que ela tem na sua comunidade de uma pessoa que saiu de uma situação difícil, conseguiram seu agressor ser preso. Isso estimula outras mulheres”, afirmou Maria da Penha, conselheira do Instituto que leva o seu nome.

Diário do Nordeste

Jovem suspeito de participar da morte de comerciante é assassinado a tiros em Aracati


Um jovem de 20 anos foi assassinado a tiros na noite desta quinta-feira (04), em Aracati. MIKAEL SILVA DA COSTA, residente na Favela do Feijão, Canoa Quebrada, horas antes havia sido liberado da Delegacia de Aracati, onde foi ouvido como suspeito no homicídio que vitimou o comerciante FRANCISCO DA CONCEIÇÃO.

De acordo com populares, por volta das 18h00, próximo a BR 304, dois indivíduos em uma motocicleta, não sabendo precisar cor ou modelo, efetuaram os disparos contra a vítima e seguiram tomando rumo ignorado. 

É o terceiro homicídio ocorrido na cidade em 3 dias.

>>Comerciante é covardemente assassinado a tiros em Aracati

>>Homem é morto a tiros na porta de sua residencia em Aracati


Com Informações do 1ºBPM

Homem situação de rua consegue enterrar companheira

Cláudio compartilhava o barraco com Ana Paula há 20 anos. Apesar de convites para retornar para casa, eles recusavam sair das ruas ( FOTO: FABIANE DE PAULA )

Em meio a burocracia dos serviços públicos, cercado por montantes de arquivos e exames comprobatórios, a história de amor do morador de rua Cláudio Henrique Ferreira, 49, e da sua companheira Ana Paula, falecida no último dia 25 de julho, se concluiu com um enterro digno. Depois da emissão de vários documentos para provar a relação estável do casal, por meio de liminar da Defensoria Pública Geral do Ceará, Cláudio conquistou o direito de velar a esposa.

O enterro ocorreu na tarde desta quinta-feira (4), por volta de 14h30, no cemitério do Bom Jardim. O problema para enterrar a parceira ganhou repercussão por meio do Facebook, durante a última semana. "Fico mais tranquilo sabendo onde ela vai estar. A saudade está sendo grande. Ela cuidava de tudo na nossa casinha. Não sei como serão meus dias sem o meu amor", declarou o Cláudio, que apesar dos convites da irmã para retornar ao lar, prefere viver na praça próximo à Av. Luciano Carneiro com seus três cães vira-latas.

De pé desde às 6h, arrumado com uma calça jeans, blusa limpa e chinelos, ele aguardava um carro do Centro Integrado de Referência sobre Drogas (Cird) da Prefeitura. Por volta de 9h30, o veículo chegou no estacionamento da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce).

Lá, acompanhado da assistência social que o auxilia desde a morte de Ana Paula, ele recebeu a informação que seria autorizada a retirada do corpo da parceira. Com os olhos cheios de lágrimas e a voz embargada, ele destacou a alegria de poder enterrá-la. "É uma alegria muito grande. Também sou gente e tenho direitos". Ao ser questionado sobre apoio nas redes sociais, Cláudio demonstrou gratidão. "São pessoas que caíram do céu. Nunca imaginei que isso ocorreria na minha vida", comentou.

A urna funerária da companheira de Cláudio foi disponibilizada pela Prefeitura de forma gratuita e o enterro no Cemitério do Bom Jardim. Para conseguir o serviço é necessário encaminhamento de ofício do acolhimento familiar da Pefoce para assistente social do Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) ou do hospital.

Crimes

Para o Coordenador do Medicina Legal da Pefoce, Renato Evando Moreira Filho, o primeiro cuidado que o órgão tem é realizar identificação do corpo para averiguar se de fato existe parentesco. "Procuramos fazer a prova técnica por meio de DNA e papiloscopia. Existem pessoas que fazem se passar por terceiros com a identificação de mortos". Conforme o gestor, existem falsários e estelionatários já capturados pela Polícia devido ao trabalho da pericia.

No caso da mulher do morador de rua, o coordenador ressalta que foi necessário realizar essa identificação por meio da papiloscopia, pois o nome que foi dado por Cláudio era diferente do encontrado na documentação dela, identificada por Emília. "Uma vez esgotada toda a documentação é possível recorrer para vias judiciais, como por meio da Defensoria", explica.


O coordenador traça como perfil das pessoas que são dadas como "sem documentos ou sem reclamação de corpo", na maioria dos casos sendo moradores de rua, na Capital e no Interior. "Temos casos de residente em espaços públicos que dão entrada na Pefoce com 18 anos e se quer foi emitido um registro civil, como RG e CPF, ou seja, legalmente esse individuo nem existe", ressalta o profissional. A Pefoce em Fortaleza, atualmente, recebe corpos da Capital e Região Metropolitana.

Por João Lima Neto - Repórter

Inspetor aposentado é baleado em assalto em Fortaleza


Um policial civil aposentado foi baleado na tarde de ontem na Avenida Osório de Paiva, bairro Canindezinho, em Fortaleza. De acordo com a Polícia, o inspetor teria reagido a um assalto em um comércio.

O comandante da Área Integrada (AIS) 2, tenente-coronel Mardem Oliveira, informou que a vítima estava dentro de um estabelecimento comercial quando foi surpreendido por dois bandidos. "A informação que temos é que o policial teria reagido e foi baleado na perna e no braço", disse o oficial.

O inspetor, identificado como Edimar Martins de Lima, 79, foi levado para o Hospital Distrital Maria José Barroso de Oliveira, o 'Frotinha de Parangaba' e depois transferido em uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Instituto Doutor José Frota (IJF), no Centro. Até o fechamento desta edição, o policial permanecia internado no IJF em estado grave.

De acordo com o coronel Francisco Souto, comandante do Policiamento da Capital (CPC), buscas foram feitas na região, mas ninguém foi preso.

Diário do Nordeste

Bugueiro morre e quatro ficam feridas em Camocim


Um homem morreu e quatro mulheres ficaram feridas em um acidente com um buggy registrado no fim da manhã de ontem na localidade de Barrinha, em Camocim, distante aproximadamente 347Km de Fortaleza.

De acordo com informações do comandante da Área Integrada de Segurança (AIS) 12, tenente-coronel Assis Azevedo, o bugueiro Antônio Jailton do Nascimento de Araújo, de 32 anos, morreu no local do acidente. Conforme o relato de testemunhas, o motorista do buggy estaria em alta velocidade no momento do acidente.

"Pelo que sabemos, o acidente ocorreu por volta do meio-dia na localidade de Barrinha, próximo à Praia de Maceió, distante aproximadamente 12Km de Camocim. Era uma comitiva, um grupo de cinco buggys, fazendo um passeio, e durante o percurso, o motorista do veículo amarelo de placas HVN- 5724, perdeu o controle do carro e capotou", disse o oficial.

Feridas

No veículo, vinham ainda quatro mulheres, todas turistas de Goiânia, capital do Estado de Goiás, no Centro-Oeste do País. "Elas foram socorridas por populares e bugueiros. Duas, em estado mais grave, foram levadas a Sobral", relatou.

Larissa dos Santos Silva, 18 anos, e Elizangela Oliveira Rocha, 28 anos, foram encaminhadas para a Santa Casa de Sobral com traumatismo craniano. Já Lucimar Severiano Paiva, 43 anos, e Rozângela Cordeiro Sampaio, de 38 anos, tiveram ferimentos leves e foram atendidas em uma unidade de saúde ainda naquela localidade.

Recorrência

Acidentes similares são registrados com recorrência. Em março deste ano, outro acidente com buggy em Camocim deixou quatro pessoas feridas. Naquela ocasião, o condutor do veículo perdeu o controle do carro, que bateu violentamente em uma casa.

Em fevereiro, uma criança de oito anos morreu e outras três, da mesma família, ficaram feridas, em outro acidente com buggy. Naquela ocasião, o condutor tentou fazer uma manobra e perdeu o controle do veículo, em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

As vítimas, naturais do Estado de Pernambuco, haviam chegado ao Ceará um dia antes, por ocasião do Carnaval.

Diário do Nordeste

Policial militar e bandido morrem em tentativa de assalto na Capital


Um sargento da Polícia Militar foi morto ao reagir a um assalto na noite de ontem, no bairro Maraponga, em Fortaleza. Um dos assaltantes também foi baleado e morreu no local. A mulher do PM foi atingida por um tiro na perna e levada ao hospital por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não corre risco de morte. Esse é o 15º policial morto neste ano no Estado entre civis e militares.

De acordo com o coronel Francisco Souto, comandante do Policiamento da Capital e Região Metropolitana, o sargento Francisco Edinardo Menezes de Sousa, 45, e a mulher (identidade preservada) chegavam em casa numa moto, situada na Rua Isaías Pereira, quando foram atacados por dois homens que estavam num veículo EcoSport. Os criminosos tentaram levar a moto do militar, que reagiu.

Durante o tiroteio, conforme o coronel F. Souto, o PM, que era lotado no Batalhão de Policiamento de Eventos (BPE), foi atingido por quatro disparos e morreu no local. Um dos assaltantes, identificado como Francisco Anderson Nunes Brandão, 26, também foi baleado e caiu morto a poucos metros da casa do sargento Menezes.

A mulher do militar (identidade preservada) foi atingida na perna e levada para o hospital em uma ambulância do Samu. Segundo a Polícia, ela não corre risco de morrer em decorrência do ferimento.

O segundo assaltante fugiu no veículo e está sendo procurado por patrulhas dos Batalhões de Policiamento Comunitário (BPCom) e de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) e de Choque (BPChoque). Até o fechamento desta edição, ele não havia sido localizado. Segundo o coronel Francisco Souto, o assaltante que morreu no local possuía antecedentes criminais por roubo e homicídio. "Vamos mobilizar as patrulhas para prender o comparsa dele", afirmou o oficial.

Outros militares

Entre os 15 policiais mortos neste ano, 14 eram militares e um era inspetor da Polícia Civil. Em junho deste ano, três policiais militares morreram em um tiroteio com bandidos no município de Quixadá, um ficou ferido e outros dois foram feitos reféns.

O sargento Francisco Guanabara Filho e os cabos Antônio Joel de Oliveira Pinto e Antônio Filho foram atingidos por tiros efetuados por assaltantes de carros-fortes, no Distrito de Juatama, Zona Rural do município.

Além dos três mortos, um quarto militar, identificado como sargento Campos, também foi atingido por um tiro na perna e encaminhado ao Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza. Dois dias depois, o PM teve alta médica.

Diário do Nordeste

BP Raio apreende menor e recupera moto roubada na cidade de Russas


Uma moto com queixa de roubo foi recuperada na manhã desta quinta-feira (04), na Travessa CAIC, em Russas.

Após uma denúncia anônima por volta das 11h30 informando estar acontecendo tráfico de drogas em uma residencia, de imediato uma equipe do BP RAIO foi acionada, e ao realizar vistoria no local, foi encontrada uma moto sem placa, a qual constava no sistema policial como roubada. A moto CG 125 Fan de cor vermelha, ano 2013, de placa OSP-0176, que havia sido roubada no dia 13.07.2016, estava em posse de um menor de idade, iniciais R.L.O. 17 anos. 

O menor e a moto foram conduzidos à DRPC, onde o menor foi autuado no art. 180 (receptação) e me seguida liberado e a moto ficou apreendida aguardando o proprietário para ser liberada.

Com Informações do 1ºBPM

Homem tem seu estabelecimento assaltado no Jaburu em Russas


Um roubo a estabelecimento comercial foi registrado em boletim policial na manhã deste quinta-feira (04), em Russas-CE.

O fato aconteceu na localidade de Jaburu, zona rural de Russas-CE, onde por volta das 08h30, dois meliantes, armados de revólver, trafegando numa moto de cor verde, anunciaram um assalto ao mercantil O PAULINHO, renderam o proprietário do estabelecimento e levaram aproximadamente R$ 400,00 em dinheiro, além de documentos pessoais e cartão de conta bancária. A PM foi acionada até o local e estão a diligenciar, contudo sem êxito.

Com Informações do 1ºBPM