-->

25 de novembro de 2017

Vovô enfrenta ABC/RN em jogo festivo pelo acesso com Castelão lotado

Depois de comemorar efusivamente o acesso para a Série A antes e depois do jogo em Criciúma, estender a festa no desembarque do Ceará no dia seguinte, a torcida alvinegra colorirá o Castelão em preto e branco para mais uma festa alvinegra, agora na despedida da equipe da Série B do Brasileiro, no duelo deste sábado diante do ABC, às 16h30 (horário cearense), pela 38ª rodada. O jogo terá transmissão da TV Verdes Mares.

Serão 57 mil alvinegros que lotarão o estádio, no maior público da Série B e do futebol cearense em 2017, em mais uma demonstração de amor e devoção ao clube após a histórica campanha, despedindo-se da equipe em seu último jogo oficial no ano. Por todo este contexto, com a torcida como maior protagonista, os jogadores do Vovô afirmam que jogarão por ela, como retribuição a todo apoio, conquistando uma vitória para fechar a campanha do acesso, diante de um adversário que embora já rebaixado desde a 35ª rodada, vem honrando a camisa do clube. Um dos exemplos da dedicação abecedista foi o jogo da rodada anterior, ao bater o Oeste por 2 a 0 no Fraqueirão e permitindo que o Vovô comemorasse o acesso antecipado, com a derrota de um de seus adversários diretos.

"Será um jogo de festa pelo nosso acesso, com o Castelão lotado e por isso temos que jogar por toda esta torcida que estará lá para nos ver jogar. Esse grupo já provou ser muito concentrado e queremos a vitória para coroar nossa campanha", declarou o meia Ricardinho.

Além de encerrar o ano com vitória diante da torcida, o Ceará defende a 3ª colocação na Série B. Com 64 pontos, o Vovô tem um de vantagem para o Paraná, que recebe o Boa/MG no mesmo horário.

O meia Lima adiantou que faz diferença sim terminar a Série B na 3ª colocação. "Claro que faz diferença. Nosso acesso já foi conquistado, era o principal objetivo, mas quanto mais a gente terminar acima da tabela melhor. Vamos jogar para vencer".

Para o duelo, o técnico Marcelo Chamusca não terá o lateral-direito Pio suspenso. Com isso, Richardson joga por lá e Élton retorna ao time após cumprir suspensão automática.

Diário do Nordeste 
 

Mulher é assaltada e estuprada em Fortaleza e faz relato dramático da violência nas redes sociais

A violência fez mais uma mulher vítima de abuso sexual. O crime ocorreu na noite desta quinta-feira no bairro Benfica. A jovem criou coragem, se livrou dos medos e relatou tudo o que lhe aconteceu em sua página no facebook. Ela conta como tudo aconteceu e revela sua indignação.

A postagem foi feita no final da tarde desta sexta-feira. A vítima conta que acabou sendo violentada nas proximidades de um colégio, no bairro Benfica, na zona Central da cidade. Atordoada um dia após o crime, ela ainda se recupera psicologicamente para procurar a Polícia e assim registrar um Boletim de Ocorrência.

A jovem (cuja identidade será preservada, apesar de sua atitude em não esconder seu nome na postagem na rede social), diz que, após um dia em busca de emprego e exausta, foi rendida por um bandido, que, com uma arma de fogo, a arrastou para um beco próximo ao colégio, onde ocorreu o assalto e o estupro. 

Blog do Fernando Ribeiro 
 

Operação encontra 116 celulares em celas na CPPL V

Cento e dezesseis celulares estavam entre os objetos apreendidos na Centro de Execução Penal e Integração Social (Cepis) Vasco Damasceno Weyne, conhecido como CPPL V, em Itaitinga, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) durante a Operação 'Fronha', deflagrada pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE). Além dos aparelhos, acessórios e chips também foram localizados.

De acordo com o MPCE, as apreensões aconteceram no Cepis Vasco Damasceno Weyne. Todas as celas e alas do presídio foram revistadas. Além dos aparelhos telefônicos apreendidos, os servidores encontraram 61 chips, diversos carregadores, baterias e fones de ouvido.

No local foram recolhidas trouxas de maconha e papelotes de cocaína. Com o auxílio de agentes penitenciários, também foram encontrados documentos que diriam respeito à contabilidade da prática dos crimes de tráfico de drogas e estelionato. O Ministério Público afirmou que a operação aconteceu por meio de ordem judicial expedida pelo Juízo da Vara de Corregedorias de Presídios.

O coordenador do Programa de Apoio ao Sistema Prisional (Proasp) e promotor de Justiça, Nelson Gesteira, afirmou que na ordem judicial de busca e apreensão há também a quebra de sigilo. Com isso, os celulares apreendidos podem ser submetidos a uma perícia técnica.

"Tudo isso será periciado. Vamos olhar as relações de ligações, conversas no Whatsapp. Vamos saber se eles vinham praticando fraude aqui fora por meio do uso desses celulares. Os donos desses celulares apreendidos serão responsabilizados. Além de tudo isso, também encontramos algumas armas brancas", lembrou Gesteira.

Conforme o promotor de Justiça, a operação foi batizada como 'Fronha' porque é nela onde costumam estar escondidos celulares e armas brancas. O coordenador do Proasp lembra que os presos contaram ter fácil acesso aos equipamentos eletrônicos durante a noite, quando não estão sob supervisão constante.

O Ministério Público ressalta que a operação contou com o apoio da Polícia Militar, através do Batalhão de Choque, e da Secretaria da Justiça (Sejus), através do Grupo de Apoio Penitenciário (GAP), do Núcleo de Segurança e Disciplina (Nused), da Coordenadoria de Inteligência (Coint) e de agentes penitenciários lotados na CPPL V.

Diário do Nordeste
 

PM é baleado e tem arma roubada no Mondubim

Um soldado da Polícia Militar foi baleado na madrugada desta sexta-feira (24) enquanto trafegava fardado na sua motocicleta, pela Avenida Godofredo Maciel, no Mondubim. Os criminosos levaram a pistola do PM.

De acordo com testemunhas, a vítima foi abordada por dois homens armados, que se aproximaram em uma outra motocicleta. O soldado foi atingido em uma das pernas e, em seguida, socorrido até o Frotinha da Parangaba. Também foi roubada a carteira do PM. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) a vítima não corre risco de morte. Nenhum suspeito pelo crime foi capturado.

Polícia busca suspeitos

Em nota, a SSPDS, por meio da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), também informou que equipes da Polícia Militar do Estado do Ceará realizam buscas no sentido de capturar os dois suspeitos de atirar no agente. "Os suspeitos notaram que o militar estava parcialmente fardado e efetuaram um disparo, acertando o fêmur esquerdo", reforçou a secretaria.

O crime será investigado pela 11º delegacia da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), unidade especializada em investigar crimes contra agentes da segurança pública.

Diário do Nordeste
 

Polícia cria força-tarefa para elucidar homicídios no CE

Com a finalidade de elucidar um maior número de homicídios no Estado do Ceará, a Polícia Civil montou uma força-tarefa. São 30 servidores, entre delegados, inspetores e escrivães se deslocando entre diversas áreas do Ceará e, atuando, principalmente nas localidades que mostram picos de mortes.

A decisão por formar esta nova equipe veio devido ao Estado enfrentar uma série de meses com os piores índices de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs). De acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), com 516 homicídios, outubro de 2017 foi o mês mais violento já registrado no Ceará.

Policiais civis ouvidos pela reportagem em condição de anonimato e o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-CE) criticaram a medida por considerar que enfraquece a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). "Devia colocar esses policiais na DHPP, que é Especializada para investigar esse tipo de crime e está precisando de gente", disse um inspetor.

Já para um delegado lotado em uma distrital, a criação da força-tarefa pode ter boa intenção, mas não vai resolver o problema. "Os policiais dessas equipes não têm como acompanhar os inquéritos porque eles tramitam na DHPP. Eles são subordinados a diretores ligados ao gabinete do delegado Geral. Não sei se isso vai funcionar".

Nessa sexta-feira (24), durante reunião do Conselho Estadual de Segurança Pública (Consesp), o titular da SSPDS, André Costa, lembrou que a Pasta observou um acúmulo de mortes em determinados pontos da Capital. De acordo com o secretário, 80% dos homicídios acontecem em menos de 40% dos territórios de Fortaleza.

Foi a partir da constatação da concentração dos crimes que a Pasta percebeu a necessidade de movimentar a Polícia Civil. O delegado geral Everardo Lima conta que a estratégia tem como consequência mobilidade similar à da Polícia Militar ostensiva. "Se tem pico de homicídio na área do Padre Andrade, pega equipe da PM e remove para lá. Já a Polícia Judiciária, não era assim. Era um território fixo para investigar especificamente aquela área", explica o delegado acerca da concepção da equipe.

A Polícia Civil ressalta que a atuação é feita a partir de uma triangulação e não há superposição. Os 30 policiais escolhidos atuam em parceria com as equipes da DHPP, e também estão juntos aos civis lotados nos distritos. Conforme Everardo Lima, as forças são integradas, no entanto, o inquérito sobre qualquer homicídio em Fortaleza sempre, de início, é levado pela DHPP. É na Divisão que a investigação é formalizada e corre durante os primeiros 30 dias.

Impunidade

O secretário da Segurança Pública, André Costa, lembra que a força-tarefa veio para dar uma resposta imediata à população. A equipe de delegados espalhados por diversas áreas deve fazer com que o índice de resolução de CVLIs no Ceará aumente.

De acordo com levantamento do Sistema Gerenciador de Homicídios (SGH) da Polícia Civil, atualmente, 23% dos casos de mortes violentas são solucionados no Estado. A média nacional de resolução dos crimes é de 5 a 8, a cada 100. O secretário ressalta que o efetivo de policiais voltados para a investigação não é ideal e que, para aumentar a porcentagem de elucidação, a concentração de esforços é precisa.

"São 30 policiais nessa nova equipe. Se fosse aumentar na DHPP seria, em média, 3 a mais em cada Delegacia. Teremos um reforço maior até maio de 2018, quando os novos policiais civis vão se formar e deverão já estar nas ruas. No nosso planejamento definimos que muitos desses policiais vão se incorporar à DHPP. Serão de 8 a 10 a mais em cada Delegacia da Divisão", afirmou André Costa.

Atuação

Sérgio Pereira é um dos três delegados a compor a força-tarefa. Segundo ele, o trabalho está sendo desenvolvido em cima da mancha criminal. Pereira destaca que além da capital cearense, com a determinação do secretário, a equipe pode se deslocar para o Interior do Estado.

"Nós estamos presentes nos crimes de grande repercussão e fazemos diligências ininterruptas. Nos dividimos em equipes de três pessoas. Não existe horário fixo para o trabalho, podemos ser acionados a qualquer momento. O que importa é dar uma resposta rápida e diminuir a sensação de impunidade nos criminosos", acrescentou o delegado Sérgio Pereira.

Para o Sinpol-CE, a força-tarefa é uma ação paliativa e não se mostra como suficiente para solucionar os casos investigados.

Diário do Nordeste
 

Homem é executado a tiros em Quixeré-CE

Nesta sexta feira (24), por volta das 12h30min, populares informaram que a pessoa de Francisco Francimar Oliveira Silva, vulgo Tatinha, 23 anos, natural de Quixeré-CE, residente no sítio Barreiras, teria sido vítima de um HOMICÍDIO À BALA. De imediato os PMS da VTR-1174 se dirigiram ao local informado, ou seja, na travessa João de Matos, em Lagoinha, zona rural de Quixeré-CE, e constataram o fato, onde isolaram o local, colheram informações e acionaram a perícia forense para os procedimentos cabíveis.

Compareceu ao local o rabecão que constatou 11 perfurações, entre entradas e saídas, sendo 08 entradas e 03 saídas, sendo que as de entradas foi uma perfuração nas costas, lado direito, duas no ombro lado direito, três no rosto lado direito, uma no ombro lado esquerdo e uma no pescoço, o calibre da arma não foi identificado pelo perito.

Informações do 1°BPM