-->

13 de setembro de 2019

DEMUTRAN DE RUSSAS RECUPERA VEÍCULO


A imagem pode conter: pessoas sentadas e motocicleta

Dia 13/09/2019 (sexta-feira), o Departamento Municipal de Trânsito e Rodoviário - DEMUTRAN DE Russas, recuperou essa motocicleta que havia sido furtada do próprio órgão de trânsito pelo seu proprietário depois que mencionado havia sido apreendido por agentes do departamento e Guarda Civil Municipal de Russas por circular nesse município irregularmente.

Depois do ocorrido por determinação do Diretor Geral FLAVIO LOPES SERPA, o Diretor Adjunto GILVAN GONÇALVES registrou um Boletim de Ocorrência na Delegacia Regional de Polícia Civil desse município, aí foram realizadas e efetuadas diligências juntamente pelo próprio DEMUTRAN DE RUSSAS, GUARDA CIVIL MUNICIPAL, POLÍCIA CÍVIL E POLÍCIA MILITAR DO 1° BPM DE RUSSAS, e agora no período da tarde a motocicleta foi entregue ao órgão pelo genitores do prioritário infrator que agora vai responder INQUÉRITO POLICIAL pelo ato praticado de acordo com lei vigente.

A Direção do DEMUTRAN de Russas agradece a todos da Delegacia Regional de Polícia Civil de Russas, bem como também da POLÍCIA MILITAR DO 1° BPM como também claro a todos os AGENTES DE TRÂNSITO do próprio órgão de trânsito DEMUTRAN de Russas

Blog; Erivando Lima


Deputados oferecem R$ 100 mil a quem der informação sobre ataque a Bolsonaro

Deputados oferecem R$ 100 mil a quem der informação sobre ataque a Bolsonaro
Conclusão de que Adélio Bispo agiu só não convence parte dos apoiadores do presidente.

Dois deputados federais do PSL estão oferecendo recompensas no valor de R$ 100 mil cada por informações que levem ao suposto mandante do atentado cometido há um ano contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O autor do ataque, em Juiz de Fora (MG), é Adélio Bispo de Oliveira, que, segundo a Polícia Federal, agiu sozinho. Mas essa conclusão não convence parte dos apoiadores do presidente.

O primeiro a ter a ideia foi Loester Trutis (MS), que publicou um vídeo nas redes sociais com a oferta do pagamento.

“Vamos oferecer uma recompensa de R$ 100 mil para informações que levem à prisão e à condenação do mandante, porque eu acredito que exista uma ajuda externa para o Adelio. Algumas questões não foram esclarecidas”, afirma Trutis no vídeo.

A seu lado aparece Ciro Fidélis, apresentado como um empresário de Campo Grande. Dono de lojas na cidade, ele também é assessor do parlamentar na Câmara. O valor da recompensa seria pago pelos dois.

“Há questões importantes: quem paga o advogado do Adelio, que é extremamente caro? Como ele tinha dinheiro para fazer viagem ao interior e acompanhar os filhos do Bolsonaro? Como ele tinha quatro celulares no seu apartamento, e por quê? Como ele pagava cartão de crédito internacional, se não tinha trabalho?”, questiona Fidélis.

Trutis pede que informações sejam fornecidas via WhatsApp, para depois serem encaminhadas por ele à Polícia Federal. O deputado faz ainda um apelo para que familiares, amigos e ex-militantes do PSOL, partido ao qual Adelio pertenceu, deem informações.

No vídeo, o parlamentar usa uma camisa amarela que mandou fazer com os dizeres “Meu Partido é o Brasil”, idêntica à que Bolsonaro vestia no dia do atentado. Só que com uma diferença: um risco vermelho na altura da barriga, simbolizando o local onde a faca perfurou o presidente.

Na verdade, o atentado não resultou em sangramento externo, mas nos órgãos internos do então candidato.

Após o vídeo de Trutis, seu colega de bancada Bibo Nunes (RS) tomou a mesma atitude. “Quero informação confiável sobre o caso. Não é chegar qualquer coisa. Se for informação comprovada sobre o atentado, dou R$ 100 mil do meu bolso”, afirmou.

Ele diz que confia no trabalho da PF. “Mas também tenho o direito de achar que alguém mandou matar”, declarou Nunes.

De acordo com Trutis, empresários têm entrado em contato com ele oferecendo ainda mais dinheiro. “Queremos chegar a uma recompensa de R$ 500 mil, diz ele. (Folhapress)

Fonte; Sobral 24 horas


Com menos de 24 horas do crime, Polícia Civil prende agricultor que matou a esposa com golpes de foice


Após intensas buscas que duraram menos de 24 horas, policiais civis da Delegacia Regional de Crateús prenderam na zona rural do Município de Ararendá (a 330Km de Fortaleza), o agricultor que assassinou a esposa a golpes de foice. O crime de feminicídio aconteceu após mais uma discussão entre o casal, que estava separado há apenas 15 dias. O marido não aceitava o fim do casamento e tinha ciúmes da mulher.


O assassinato da dona de casa Antônia Solange Silva, 46 anos, ocorreu por volta de 14h30 da última quarta-feira (11), no Distrito de Torrões, na zona rural do Município de Ipaporanga (a 375Km de Fortaleza). O assassino atingiu a vítima com vários golpes de foice. A mulher teve morte imediata e o criminoso fugiu.

Ontem, policiais de Crateús descobriram o paradeiro do assassino. Após praticar o feminicídio, o agricultor José Alves Ferreira, 39 anos, conhecido por “Jales”, fugiu de Ipaporanga e foi se esconder na casa de familiares, na localidade de Bonfim dos Carrilhos, na zona rural de Ararendá. No momento em que a casa foi cercada pelos policiais, o suspeito não reagiu nem procurou fugir, sendo rapidamente dominado.

Ele foi encaminhado à Delegacia Regional de Crateús, onde acabou autuado em flagrante por assassinato qualificado, com pena de 12 a 30 anos de reclusão.

(Blog do Fernando Ribeiro)


Empresas coreanas são investigadas por associação criminosa no CE

 ATUALIZADO ÀS 08:51 / 13 DE SETEMBRO DE 2019

Segundo acusação do Ministério Público Federal, empresas envolvidas na construção da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) foram contratadas pela Posco, uma das sócias, como fachada para desvio de recursos das obras

Empresas foram contratadas para executar as obras de construção da Siderúrgica



Acusadas de calote por cearenses, empresas coreanas são investigadas também por evasão de divisas e associação criminosa, que consistia em uso de empresas como fachada para desvio de recursos na construção da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). A denúncia foi protocolada pelo Ministério Público Federal do Ceará em março de 2017 e, atualmente, está sob a relatoria da Terceira Turma de Julgamento do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Pernambuco. 

A Braco, uma das empresas que contratou e não pagou pelos produtos e serviços prestados à época da construção da CSP, é apontada pelo MPF-CE como “empresa de fachada” da Posco Engenharia e Construção, subsidiária da Posco Inc, uma das acionistas da Siderúrgica do Pecém.

A denúncia relata, com base em inquérito policial, que “os acusados se uniram em ação criminosa capitaneada pela empresa Posco Engenharia e Construção do Brasil Ltda, para frustrar direitos assegurados pelas leis trabalhista e previdenciária”. Na prática, os trabalhadores coreanos da empresa eram pagos com um valor diferente do registrado na Carteira de Trabalho (CTPS). Parte era paga no Brasil e o restante, “por fora”, era entregue aos trabalhadores em espécie ou enviado para suas famílias na Coreia do Sul.

“Para tanto, os dirigentes da Posco serviam-se de empresas subcontratadas, destacando-se a empresa (de ‘fachada’) Braco Construtora Ltda, que registrava nas folhas de pagamento e nas CTPS, valores de salários abaixo dos efetivamente pagos a esses trabalhadores”, diz o conteúdo da denúncia, enviada à reportagem pelo Ministério Público Federal no Ceará.

Conforme a denúncia, o consórcio (joint venture) formado pela empresa brasileira Vale (50%) e pelas empresas sul-coreanas Dongkuk Steel Group (30%) e Posco Engenharia e Construção do Brasil Ltda (20%) proibia a construção direta da CSP pela Posco. Assim, ela subcontratou a Braco como empresa de fachada.

Foram denunciados pelo MPF o sócio da Braco, Jung Geun Park, conhecido no Brasil como “Mário Park”; Jong Su Kim, apontado na denúncia como administrador presidente da Posco Engenharia; Jiho Kim, primeiro gestor da Braco; In Wook Kim, administrador da empresa antes do coreano Mário Park, e mais outras quatro pessoas ligadas à Braco e à Posco.

Trâmite
Em junho de 2018, foi expedida sentença na Justiça Federal de primeira instância. No documento, Geun Park afirma que teria sido obrigado a cometer evasão de divisas. Atualmente, o processo está sob a relatoria do desembargador federal Rogério Fialho Moreira, que integra a Terceira Turma de Julgamento do TRF5, após parecer do Ministério Público Federal da 5ª Região protocolado em 16 de agosto deste ano.

De acordo com nota enviada à reportagem pelo TRF5, “neste momento, os autos da apelação criminal estão sendo analisados pelo desembargador federal Fernando Braga. Ele também é integrante da Terceira Turma e é o revisor regimental dos processos do desembargador Rogério Filho no órgão colegiado. Ainda não há previsão de julgamento desse processo”.

Ainda de acordo com o Tribunal, o processo foi enviado para revisão do desembargador federal Fernando Braga no dia 29 de agosto. “O terceiro integrante da Terceira Turma do TRF5 é o desembargador federal Cid Marconi. O parecer do MPF é levado em consideração pelo relator do caso e pelos outros dois magistrados integrantes da Turma, para realizar o julgamento do processo”.

A reportagem entrou em contato com a Posco E&C duas vezes por meio de ligação. A empresa, entretanto, afirmou que não irá se pronunciar acerca das acusações.

Rescisão contratual
Em 2014, a Posco rescindiu o contrato que mantinha com a Braco, à época sob o comando de Jung Geun Park (Mário Park), atual proprietário da empresa. No documento, enviado ao Diário do Nordeste pelo próprio Park, a Posco E&C justifica a rescisão alegando que a Braco Construtora não cumpriu com os prazos estabelecidos para as obras da CSP. De acordo com a carta de rescisão, a Posco teria efetuado “várias tentativas de resolução amigável” e a Braco estaria “desempenhando suas obrigações de forma insatisfatória e em desconformidade com as obrigações assumidas nos termos dos contratos”.

Outra razão enumerada na carta é justamente a falta de pagamento de encargos trabalhistas relacionados aos empregados da Braco, incluindo salários, benefícios, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

À reportagem, Mário Park disse que a falta de pagamento dos salários dos funcionários estaria ligada ao “baixíssimo valor” repassado pela Posco para as obras. “Na Coreia, quando a gente aluga uma máquina, ela vem com o operador. Aqui, não. A gente paga o aluguel da máquina e o operador. E a Posco não contava com isso”, diz.

Red; DN


Russas CE plantão poicial


RUSSAS TENTATIVA DE HOMICÍDIO

Por volta das 17h40min na localidade de Pedro Ribeiro, zona rural de Russas, 02 (dois) indivíduos em uma moto Bros, tentaram contra a vida de uma pessoa, efetuando 03(três) tiros nas costas da vítima do sexo masculino, que foi socorrido por populares ao hospital local, mas devido à gravidade dos ferimentos foi transferido para Fortaleza. A vítima responde por vários crimes entre os quais: ameaça, lesão corporal, estupro e violência doméstica, que não identificou os autores da tentativa.


PALHANO PRISÃO POR DESCUMPRIMENTO DE MEDIDA PROTETIVA

Por volta das 23h50min, na localidade de Canto da Cruz, zona rural de Palhano, REGINALDO CORREIA DE LIMA, 21 anos, foi conduzido para DPC por descumprir medida protetiva.


ARACATI PRISÃO POR TRÁFICO DROGAS E POSSE ILEGAL DE ARMA DE FOGO

Por volta das 14h, no Bairro de Fátima em Aracati, GILDEVAN SILVA RODRIGUES DO VALE e RUAN PEREIRA DE FREITAS, foram presos e autuado em flagrante por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo, com eles foi apreendido: 01 (um) revólver calibre 32, crack e maconha.

Blog; Erivando Lima;

Tentativa de homicídio a bala em Russas CE

O fato aconteceu no final da tarde de ontem quinta feira 12 09 2019 na comunidade de Pedro Ribeiro, foi vitima de uma tentativa de homicídio a pessoa de Jose Clayton Pereira Santiago 39 anos, o mesmo foi lesionado com aproximadamente 4 disparos de arma de fogo . A vitima foi socorrido para o hospital de Russas, logo em seguida foi conduzido para Fortaleza. A policia Militar esteve no local tomando as providencias.

Blog; Erivando Lima

Os melhores PNEUS e Baterias de Russas
Rua 2 de Agosto
Fale com Ricardo Amaral