-->

3 de maio de 2014

Quadrilha interestadual é desarticulada no CE







Cinco homens, especialistas em extorsões mediante sequestro, foram presos na última quinta-feira (1º) em uma casa de luxo no bairro da Sabiaguaba, em Fortaleza. O grupo estava preparando o local para realizar mais uma ação criminosa. A família de um gerente de banco seria feita refém, de acordo com as investigações da Polícia Civil.

As prisões foram feitas pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) através de denúncias anônimas. As investigações contaram, ainda, com o apoio de agentes da Coordenadoria de Inteligência (Coin), da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).
Dentre os presos, estão dois paraenses, fugitivos do sistema carcerário do Estado do Pará. Além deles, foram capturados um paulista e dois cearenses.
Foram detidos os paraenses Francisco Alexandre Pinto de Lima, 36, o 'Cara de Peixe', e Sandro Moreti Alves Marçal, 40. A dupla estava na casa. Durante a abordagem, o restante da quadrilha fugiu em dois veículos. A Polícia conseguiu interceptar um deles, em um Corolla, onde estavam o paulista Francisco Éder Pereira da Silva, 31, e os cearenses Marcelo Emídio de Sousa, 32 e Leandro Vieira de Oliveira, 33. Pelo menos, mais um integrante do bando permanece foragido.
Os delegados Diego Barreto e Raphael Vilarinho, da DRF, explicaram que o grupo já havia agido no Pará e no Amapá. "Eles são especialistas em extorsão mediante sequestro. Os foragidos do Pará têm dois mandados de prisão em aberto", relatou Raphael Vilarinho.
Os paraenses lideraram uma fuga em massa do presídio onde estavam, disseram os delegados. "Eles conseguiram introduzir quatro pistolas .40 no presídio e comandaram a fuga de mais de 20 internos, trocando tiros com policiais e agentes penitenciários. São de altíssima periculosidade". Sandro, segundo Vilarinho, soma mais de 35 anos de prisão em suas condenações.
De acordo com a Polícia Civil, os cinco presos já respondem por extorsão mediante sequestro, porte ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas e homicídio.
A casa de luxo, segundo as investigações, havia sido alugada utilizando o nome falso criado por um dos homens. Documentos falsos foram localizados na residência, além de munição de fuzil.
Em um dos cômodos, segundo explicaram os delegados, foi construído um cativeiro com isolamento acústico para abafar os gritos e pedidos de socorro das vítimas. "Eles iam ficar aqui no Ceará de um a dois meses para cometer diversos crimes. De quinta para sexta-feira eles iam sequestrar um gerente de um banco e a família dele", afirmou o delegado Raphael Vilarinho.
Ligação
Para a Polícia Civil, existe a possibilidade de uma ligação entre a quadrilha presa e as apreensões de armas de grosso calibre realizadas nos últimos dias. "A especialidade deles é a extorsão mediante sequestro, mas não está descartada a hipótese da quadrilha praticar outros crimes contra instituições financeiras como explosão. Nada está descartado", afirmou disse Diego Barreto.
Levi de Freitas
Repórter

DIÁRIO DO NORDESTE.