-->

23 de novembro de 2019

PF investiga empresas que prestaram serviço ao TSE


As companhias sob o crivo da PF são suspeitas de fraude, ocultação de patrimônio e desvio de bens.


Uma investigação da Polícia Federal (PF) mira empresas que prestaram serviço ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entre 2004 a 2018.

As companhias, que trabalharam com a transmissão de dados e manutenção de urnas eletrônicas, são suspeitas de fraude, ocultação de patrimônio e desvio de bens.

As empresas são acusadas de esconder os ativos do grupo Probank, que prestou serviços em ao menos quatro eleições, para evitar o pagamento de dívidas e substituir o grupo em contratos com tribunais eleitorais, informa o portal Terra.

A Probank teve a falência decretada em 2010, deixando um calote de mais de R$ 500 milhões para trabalhadores, credores e à Receita Federal. 

A PF investiga indícios de que equipamentos, funcionários e conhecimento tecnológico tenham sido repassados entre várias companhias, fundadas a partir de 2010 por diretores do grupo e novos sócios.

Sobral 24 horas