-->

4 de outubro de 2014

Após motim em Centro Educacional, adolescentes devem ser transferidos

Internados no Centro Educacional Dom Bosco, no bairro Passaré, adolescentes em conflito com a lei fizeram um motim no início da tarde deste sábado. Segundo o comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar (BPChoque), major Alexandre Ávila, a tentativa de teve início por volta das 13h e foi contida uma hora depois pela Polícia.
O motim foi setorizado e comprometeu apenas uma das vivências da unidade. No local, os jovens tocaram fogo nos colchões e quebraram algumas paredes.
O comandante do BPChoque não soube precisar o motivo da rebelião, mas assegurou que não há registro de feridos. Após a contenção do motim, a gerência do Centro Educacional, segundo o  major Alexandre Ávila, está preparando a transferência de 20 adolescentes para o Centro Educacional São Miguel, localizado também no Passaré. 
Este é o segundo motim em menos de um mês na unidade. No dia 8 de setembro alguns adolescentes tentaram fugir, queimaram colchões e pedaços de madeira no local. Em agosto, o Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública ingressaram com uma Ação Civil Pública para interditar o Centro Educacional, alegando constatação de superlotação e falta de estrutura.
Após o princípio da rebelião em setembro, o MP reforçou junto à 3ª Vara da Infância e Juventude o pedido de liminar pela imediata interdição do equipamento. O órgão constatou que o Centro que tem capacidade para 60 adolescentes, de 12 a 16 anos, estava na época com 187 internos. 
No dia 11 de setembro a juíza Mabel Viana Maciel, titular da 3ª Vara da Infância, determinou a interdição do Dom Bosco e ordenou que o Estado deveria se encarregar da transferência de alguns adolescentes em um prazo de 30 dias. Na decisão, a juíza estipulou que caso a medida seja descumprida, o Centro será penalizado em R$ 5 mil diários por cada interno excedente e por cada dia de desrespeito à ordem. 
Fonte: Diário do Nordeste