-->

3 de janeiro de 2020

Ganhador da Mega da Virada não se empolga: "Se velho tiver emoção, morre


Marcos Nonato Arraes é um dos vencedores da Mega-Sena da Virada - dos R$ 304,2 milhões do prêmio total, ele levará R$ 2,9 milhões para casa. O pecuarista de 70 anos foi um dos compradores das 26 cotas do bolão realizado em uma casa lotérica de Juscimeira (MT), mas disse que não houve emoção em sua reação. O motivo? A idade.


"A emoção é... Não tem emoção, a gente é acostumado a trabalhar, né. Velho não pode ter emoção, porque se velho tiver emoção, morre. Eu jogo há muito tempo, faz muito tempo que eu jogo. Tenho filho, tem família. Vamos ver o que meus filhos vão fazer, tenho cinco filhos", contou.

A entrevista do pecuarista foi realizada pelo programa "MT1", da TV Centro América, afiliada da Globo em Cuiabá. Marcos Nonato Arraes fez aniversário hoje, no dia em que falou com a repórter, mas disse que o prêmio não é um presente maior do que sua esposa.

"Vou passar mais uma que você não sabe: hoje é meu aniversário. É bom demais, né? Velho não pode fazer aniversário porque fica muito alegre e é perigoso morrer. Toda a vida, a vida é essa, né? O presente maior que eu ganhei foi a minha velha há 46 anos", respondeu ele.

Ele não quer deixar a região de Juscimeira. "Faz 40 anos que eu moro aqui. Não saio daqui. Quem jogou e não ganhou tem de continuar jogando. Uma hora ganha, né? Pessoa de idade não tem que se emocionar. Fico feliz por ter ganhado, mas emoção também não, né?", disse.

Segundo a emissora, ele pagou R$ 107,94 pelo bilhete e receberá um prêmio de R$ 2,9 milhões pela cota adquirida. O bolão com 26 apostas foi organizado por Jaqueline, funcionária da lotérica. No entanto, ela não comprou uma das cotas.

"Eu vim fazer mais um joguinho e agradecer à menina [Jaqueline], dar uma gorjeta para ela", afirmou Marcos. A moça foi chamada pela repórter e disse que fez todas as 26 apostas na máquina. "Não precisa, não. A gente fica feliz por cada um deles, todos os ganhadores", relatou.

Foi Jaqueline, então, que ligou para a casa de Marcos e informou que ele estava entre os ganhadores. "Sou sempre eu que ligo para ele falando que tem um bolão", completou a funcionária da lotérica. "Tem vezes que ela paga para mim, e depois eu venho pagar, né, filha?", lembrou ele.

"Eu não sei como é que ela faz na máquina, só sei que ela me liga e diz que está pronto. Eu não assisti ao sorteio não. Foi ela que deu a notícia, aí meu genro conferiu", disse o pecuarista, que disse não ter medo de dar entrevista: "Eu não tenho questão, não tenho por quê. Não sou assombrado".

Blog;WF


Em apenas dois dias de 2020, três mulheres já foram assassinadas no Ceará


Em apenas dois dias de 2020, três mulheres foram vítimas de assassinatos no Ceará. A sequência de crimes do gênero dá continuidade à violência contra a mulher no estado, onde 400 assassinatos aconteceram em 2018, e mais 224 em 2019.


O caso mais recente ocorreu na tarde desta quinta-feira (2), na cidade de Banabuiú, no Sertão Central (a 194Km de Fortaleza), quando dois homens armados invadiram uma residência e assassinaram, a tiros, a jovem Clarissa Gomes da Silva, 24 anos, que estava grávida.

Clarissa estava no terceiro mês de gravidez e, junto com o marido, havia saído de Fortaleza para passar as festas de Natal e Ano-Novo com os familiares dela, residentes em Banabuiú. De acordo com as primeiras informações da Polícia, dois homens invadiram a casa e executaram a mulher sem nada roubar, o que afasta a hipótese de um crime de latrocínio (roubo seguido de morte). Baleada, a jovem morreu dentro da casa dos pais.

Policiais militares estiveram no local do crime e iniciaram diligências na tentativa de prender os assassinos. Sobre os motivos da execução, a Polícia não sabe, ainda, o que aconteceu. O marido era testemunha de crime de morte. Porém, as autoridades não sabem se esta seria a causa da morte de Clarissa.

Outros crimes

No bairro Bom Jardim, em Fortaleza, uma jovem identificada como Karol Macedo, natural de Missão Velha, no Cariri (a 521Km de Fortaleza), foi assassinada na madrugada de ontem. De acordo com informações de vizinhos., a garota veio passar as festas de fim de ano com os familiares e acabou sendo assassinada por motivos ainda desconhecidos. A mãe dela presenciou o crime e ao tentar evitá-lo, acabou ficando também ferida.

Na madrugada do dia 1º, uma mulher foi baleada e morta na zona Oeste de Fortaleza. O crime ocorreu nos primeiros minutos do Ano-Novo, na Avenida Sargento Hermínio, próximo ao shopping Rio-Mar Kennedy.

(Blog Fernando Ribeiro)


Mulher grávida de três meses é morta a tiros dentro de casa em Banabuiú


O primeiro crime de 2020 no Sertão Central foi registrado em Banabuiú, na tarde desta quinta-feira (2): um feminicidio seguido de homicídio. Uma mulher foi morta a tiros dentro de casa no bairro Conjunto Esperança. Conforme as informações da Polícia, a vítima estava grávida de três meses. Os acusados fugiram após o crime.


Clarissa Gomes da Silva, de 24 anos, estava dentro do quarto da casa de um parente quando teria sido surpreendida pelos disparos. De acordo com a Polícia, ela é natural de Banabuiú mas estava morando atualmente em Fortaleza e teria vindo ao Município com o esposo para passar a festa de virada do ano com familiares.

A equipe da Polícia compareceu ao local do crime mas ninguém forneceu nenhuma informação. Vizinhos também preferiram não se pronunciar. Uma investigação será iniciada para descobrir como os acusados chegaram até Clarissa, como adentraram a casa, quantos eram e como fugiram em seguida.

Também ainda não se sabe o que teria motivado o crime. Um levantamento das primeiras informações feito pela Polícia Civil apontou que em 2013 o atual companheiro de Clarissa Gomes da Silva teria sido testemunha de um homicídio doloso (quando há intenção de matar), mas não é confirmado se esse fato teria ligação com o crime, já que o bairro onde a mulher foi morta é dominado pelo tráfico de drogas.

Dados

Os crimes de feminicidio foram destaque em 2019 no Ceará. Em cinco meses, de maio a outubro, 31 mulheres teria sido mortas no Estado. O último dado extra-oficial, do fim de outubro passado, mostrou que os crimes contra a vida de mulheres cearenses teria apresentado uma alta de 13% em 2019. No ano que passou o Ceará foi o segundo estado onde mais se matou mulheres entre todos os estados do Nordeste.

Fonte; Sertão Alerta


Russas CE plantão policial


JAGUARIBARA HOMICIDIO A BALA

Por volta das 12h25min, na Avenida Francisco Melanias Bezerra, centro de Jaguaribara, a polícia registrou um homicídio por arma de fogo, tendo como vítima, ANTÔNIO ARLEUDO RODRIGUES FELÍCIO, 42 anos, mecânico, o mesmo encontrava-se no seu local de trabalho, quando foi surpreendido por 02 (dois) indivíduos numa moto vermelha, que efetuaram vários disparos e em seguida fugiram. A vítima faleceu na hora.

QUIXERÉ PRISÃO POR TRÁFICO DE DROGAS

Por volta das 17h30min, policiais militares em patrulhamento no Distrito de Lagoinha/Quixeré, abordaram a pessoa de JOSÉ EDILAN SOUSA DE DEUS, 25 anos, vindo o mesmo a confessar seu envolvimento com o tráfico e informou que tinha droga dentro da residência onde morava. Com a permissão do mesmo, os policiais realizaram uma busca no interior da casa e localizaram: uma balança de precisão; 54 cigarros de maconha; um pedaço de maconha prensada e R$ 252,00 em espécie, com cédulas de valores variados. Diante da apreensão de todo esse material, foi dada a voz de prisão ao mesmo, em seguida fizeram a condução a DPC em Russas, onde foi autuado em flagrante. O acusado reside no Sitio Itaitinga, zona rural de Quixeré.

Fonte; PM CE


Advogada envolvida em tráfico de drogas é agredida em penitenciária de Aquiraz

Elisângela Mororó está presa desde novembro de 2019
Segundo a Polícia Civil, Elisângela Mororó negociava a venda de cocaína com o chefe de uma facção criminosa preso em Rondônia
Divulgação/PCCE


 Presa em novembro de 2019 por envolvimento com o tráfico de drogas, a advogada Elisângela Mororó foi agredida nesta quinta-feira (2) por uma outra detenta do presídio feminino Auri Moura Costa, em Aquiraz. 

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), após a agressão ela foi levada para exames médicos e, após não ser constatada gravidade nos ferimentos, ela retornou ao presídio, onde permanece reclusa.

A prisão de Elisângela ocorreu em Catarina, no interior do Ceará, em 13 de novembro, sob suspeita de participação em uma organização criminosa de traficantes de drogas. A Polícia Civil informou que ela intermediou a venda de 40 quilogramas de cocaína e chegava a cobrar R$ 15 mil por cada quilograma. 

Elisângela estava foragida há um mês quando foi encontrada pela polícia, com um mandado de prisão preventiva por integrar organização criminosa, tráfico e associação para o tráfico.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE), informou que está dando o suporte necessário à advogada e que já entrou com um pedido na Justiça para que a advogada seja tratada da maneira como determina a Lei n° 8.906/94, e que a mesma tenha direito à sala de estado maior ou, na ausência dela, que fique em situação de prisão domiciliar.

Red; DN