-->

27 de agosto de 2017

HOMICÍDIO Á BALA NA BARRACA SOM DAS ÁGUAS EM QUIXERÉ CE


A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, selfie e close-up

Na manhã deste Domingo(27) foi vítima de homicídio a bala o jovem conhecido por Louro do Som. O mesmo estava montando um palco na Barraca Som das Águas de propriedade do Sr. Ivan, localizada na Barragem de Quixeré as margens do Rio Jaguaribe. Um homem que chegou em um carro, desceu foi até o palco onde localizou a vítima e efetuou vários disparos em sua direção que foi atingido vindo a óbito no local. Este rapaz teve seu irmão morto nos mesmos modos operante. A polícia foi chamada que ao chegar no local isolou a área até a chegada do rabecão para recolhimento do corpo.

Aguardando mais informações

Blog Erivando Lima / informações de Silvio Leão

Filho de ex-prefeito de Vilhena, RO, é morto com tiro dentro de casa


José Rover, a esposa Lizangela e o filho do casal, Luiz, na campanha eleitoral de 2012, quando ele tinha 16 anos (Foto: Facebook/Reprodução)

Polícia Militar registrou o caso como latrocínio – roubo seguido de morte. Um dos suspeitos foi preso e o outro está foragido.

O estudante Luiz Eduardo Silva Rover, de 21 anos, filho único do ex-prefeito de Vilhena (RO), José Luiz Rover (PP), foi morto com um tiro dentro de casa. O crime aconteceu na noite de sexta-feira (25) no Bairro Jardim Eldorado. A Polícia Militar (PM) registrou o caso como latrocínio – roubo seguido de morte. Segundo testemunhas, dois homens entraram na casa e um deles estava armado. Após o crime, um dos suspeitos foi preso e outro fugiu.
A PM apurou que a vítima havia saído de casa para comprar cerveja com um amigo. Quando eles retornaram para a residência, os criminosos entraram junto com o veículo e anunciaram o roubo.
O G1 esteve no local e conversou com o vereador Carlos Suchi (PTN), militar da reserva. Ele é vizinho de José Luiz Rover e contou que ouviu dois tiros. “Quando eu ouvi os tiros, já saí de casa para verificar e encontrei o suspeito saindo da casa do Rover com uma arma. Dei voz de parada para ele e pedi para que largasse a arma”, explicou.

Fonte G1


Vereador propõe construção de pocilga comunitária em Quixadá


Resultado de imagem para FOTOS DO Vereador Laercio Oliveira de Quixada CE

O vereador Laércio Oliveira (PV) apresentou, durante uma sessão realizada na manhã desta sexta-feira, 25, na Câmara Municipal de Quixadá, um requerimento solicitando uma audiência pública para discutir um projeto de sua autoria, que solicita a construção de uma pocilga comunitária no município. A data da audiência ainda não foi definida.

De acordo com o Laércio Oliveira, a audiência tem o objetivo de discutir, junto com o secretário de agricultura da cidade e membros da Vigilância Sanitária, uma solução para a situação dos criadores de porcos, que estariam sofrendo dificuldades por conta da fiscalização. “Fui procurado por um grupo de criadores que estão se sentindo prejudicados, pois não têm condições de se adequar as normas e são impedidos de trabalhar. Estamos em busca de uma solução”, afirma.

Caso a construção da pocilga comunitária seja aprovada, Laércio ainda não sabe quanto poderá custar aos cofres públicos. O local, projetado para seguir as normas propostas pela Vigilância Sanitária, seria disponibilizado aos criadores para realizar o trabalho. O inspetor sanitário do Município de Quixadá, Jecriston Dias, diz que, para uma pocilga funcionar, deve contar com responsável técnico e legal, funcionário para acompanhamento e manejo dos animais e ambiente limpo e salubre. Outro ponto citado pelo inspetor para o funcionamento de uma pocilga é a distância de aglomerados urbanos.   

Francisco Célio Alves da Silva, que há 20 anos trabalha com a criação de porcos, é um dos criadores que seriam beneficiados com a mudança. “Não queremos incomodar as pessoas, estamos apenas tentando fazer nosso trabalho e garantir a renda da nossa família”. Célio possui uma criação de 15 animais.

Laércio Oliveira está no segundo mandato como vereador de Quixadá. De acordo com ele, entre os projetos de sua autoria já apresentados na Câmara Municipal, está à instalação de câmeras de monitoramento nas ruas da cidade.

Blog Erivando Lima / O povo.com

Privatização é o “eclipse” de Temer para a crise política


eclipse

No “timing” político que passaram a ter as ações do Ministério Público, Janot disparou no final de semana a penúltima flecha de seu bambuzal : as denúncias contra a trinca Renan-Jucá-Sarney  baseadas nas gravações de Sérgio Machado.

Temer, pelos fatos descritos na denúncia terem ocorrido antes de sua ascensão golpista à Presidência, não pode entrar na roda, embora Janot deixe claro que, não fosse isso, estaria.

Janot luta para não submergir na mídia, onde a situação de Temer, com  o “feirão da privatização” melhorou, embora o resultado disso na sua avaliação política entre a população não tenha nenhuma melhora, a esta altura virtualmente impossível.

Parte disso vem do refluxo que obteve no ataque da Globo, com aquelas razões mas, comenta-se, também com métodos mais próximos da natureza sórdida de sua política que, se comenta já sem muita reserva nos meios políticos, atingiria o grau de chantagem financeira.

As conversas, registradas aqui e ali nos jornais, entre Moreira Franco e João Roberto, foram, ao que se diz diretamente aos escalões do jornalismo da emissora e o áudio de uma suposta demissão do jornalista Luiz Nascimento, com uma gravação falsa acusando a Globo de um impensável acordo com Lula – ao qual desavergonhadamente o próprio Temer deu repercussão –

A outra parte do “refresco” de Temer vem da liquidação de estatais e concessões  com que ele inundou a mídia na última semana. Embora o “mercado” saiba que o precário ocupante do Planalto não tenha condições de entregar nem um terço  do encarte de supermercado que divulgou  – inclusive com estatais francamente já lucrativas -, a promessa é enorme e o desastre grande e, em parte, irreversível.

A “agenda de reformas”, inviabilizada pelo enfraquecimento da base parlamentar só existe  ainda na imaginação dos jornalistas da “cartilha neoliberal”. Temer, espertamente, a substituiu pela venda de garagem, no “saldão” do Estado brasileiro.

Temer manobra para fazer com as privatizações – ou promessas de – um eclipse parcial de sua crise política, enquanto faz malabarismos com as  pretensões presidenciais de Meirelles, Dória e quem mais vier, desvia as atenções.

É nessa floresta que Janot vai disparar sua flecha, já agora rombuda, a menos que apareçam papéis, recibos, evidências tão flagrantes que nem a hipocrisia de parlamentares ávidos pelo único dinheiro “certo” para a campanha – o das emendas e os dos negócios obtidos com cargos no Governo.

Red; Tijolaço