-->

5 de outubro de 2015

Bandidos cearenses presos noutros estados não são transferidos por falta de verbas


A falta de verba na Segurança Pública  para custear a  transferência de bandidos cearenses presos em outros estados da Federação vem afetando as investigações de crimes de repercussão. Pelo menos, dois casos ainda estão pendentes de elucidação completa devido ao não recambiamento dos acusados para o Ceará.

Um deles diz respeito à prisão, em São Paulo, de um dos envolvidos na chacina ocorrida no dia 15 de abril passado no distrito de Aprazível , no Município de Sobral, quando seis pessoas (três de uma mesma família) foram assassinadas. O caso teve ampla repercussão na mídia local.

Menos de 24 horas após o sêxtuplo assassinato, a Polícia prendeu um dos principais envolvidos na chacina. Trata-se de José Cleiton Rodrigues Pereira, o “Quequé”, que teria confessado sua participação no caso. Quinze  dias antes, ele havia saído da cadeia já com a missão de eliminar as seis pessoas a mando de outro bandido que conheceu na prisão.

Capturado em Jijoca de Jericoacoara, onde fora se esconder, “Quequé” foi  trazido para Fortaleza mas, acabou fugindo junto com outros 12 presos da Delegacia de Capturas e Polinter (Decap). A fuga aconteceu em menos de 72 horas após o suspeito chegar à Capital.
No entanto, no dia 26 de junho, numa operação interestadual, a Polícia recapturou “Quequé” em São Paulo. Mas, sem a  verba para custear a viagem dos agentes policiais, o criminoso permanece desde junho em São Paulo. A espera por transferência, portanto, já se estende por quase quatro meses, e não há previsão para o remanejamento do detento de volta ao seu estado de origem para que ele seja interrogado e esclareça o crime.  

Outro caso
Também aguardam ser trazidos para Fortaleza dois suspeitos de envolvimento na morte do radialista Gleydson Carvalho, assassinado por pistoleiros na cidade de Camocim (373Km de Fortaleza) no dia 6 de agosto.  O pistoleiro Tiago Lemos da Silva e sua companheira, Regina Rocha Lopes, foram capturados há 10 dias na cidade de Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia. Os dois teriam participado diretamente da morte do comunicador. Tiago já  confessou ter disparado os tiros contra a vítima e revelou que receberia R$ 2 mil pelo “serviço”.

A mulher do pistoleiro, foi paga para fazer levantamentos sobre a rotina da vítima.
Os dois permanecem na sede da Polícia Civil de Goiás. A transferência não foi ainda realizada por falta de verba para custear as despesas de viagem dos policiais cearenses. 

Blog do Fernando Ribeiro