-->

14 de novembro de 2019

Advogada suspeita de intermediar venda de cocaína por R$ 15 mil o quilo é presa no interior do Ceará

Advogada ofereceu 40 quilos de cocaína para um criminoso, segundo a polícia. Outros dois suspeitos foram presos com ela em Catarina
Segundo a Polícia Civil, Elisângela Mororó negociava a venda de cocaína com o chefe de uma facção criminosa preso em Rondônia
Divulgação/PCCE

A advogada Elisângela Maria Mororó foi presa suspeita de integrar uma organização criminosa e intermediar a venda de cocaína. Ela foi detida no município de Catarina, na Região Centro-Sul do Estado, nesta quarta-feira (13). Segundo os investigadores, ela oferecia a droga por R$ 15 mil o quilo. Com ela, também foram capturados dois homens em uma residência na zona rural do município.


Dentro da casa, que pertence a um suspeito de liderar uma facção criminosa, foram encontradas uma pistola e cerca de 500 gramas de cocaína. De acordo com a Polícia Civil, o trio foi preso por tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e por integrar organização criminosa. A advogada estava foragida há um mês.

Um dos suspeitos, identificado como Antônio Gonçalves Neto, conhecido por "Zói", de 45 anos, tem mandado de prisão em aberto e responde por porte ilegal de arma e associação para o tráfico de drogas. Já o segundo, identificado como Vicente Leite Sobreira, de 31 anos, conhecido como "Manin", tem três mandados em aberto po porte ilegal de uso restrito, tráfico de drogas, organização criminosa, receptação e associação criminosa e por oito homicídios. Todos os crimesforam  praticados no Ceará.

Mensagens com traficantes

A Polícia Civil teve acesso a mensagens do aparelho celular da advogada, nas quais ela negociava a venda de cocaína com o chefe de uma facção criminosa preso em Rondônia. De acordo com os investigadores, Elisângela Maria Mororó ofereceu 40 quilos do entorpecente.

O potencial comprador chegou a dizer que pagaria apenas R$ 5 mil e, no fim da conversa, ela informou que o menor valor cobrado seria de R$ 13,5 mil. A suspeita chega a dizer que intercedeu dessa forma "pois todos tem que ter Natal".

Plano de fuga de detentos

Ainda segundo as investigações, em setembro deste ano, a advogada entregou um papel junto com um biscoito com um plano de fuga para um detento que estava preso dentro de um presídio no Ceará. Na oportunidade, ela deu o bilhete primeiramente para um advogado, que colocou o papel na boca do detento enquanto eles estavam no parlatório de um Centro de Detenção Provisória de Itaitinga. O plano de fuga que foi frustrado por agentes penitenciários.

Red; DN


BARBÁRIE: Coronel da Polícia Militar e namorada universitária são acusados de estuprar criança de 11 anos no Ceará

Menina revelou os abusos, iniciados em 2014, após assistir a um vídeo educativo na escola e perceber a violência sexual. Casal nega crime.
O coronel da Polícia Militar do Ceará (PMCE) Jaime de Paula Pessoa Neto, de 53 anos, e a namorada dele, a universitária Lorena Bezerra de Melo, 37, foram acusados pelo crime de estupro de vulnerável contra uma criança de 11 anos, que convivia com o casal. Os crimes aconteceriam desde 2014, em Fortaleza, quando a menina tinha seis anos, mas foram denunciados apenas em maio deste ano. O processo corre sob sigilo de Justiça.

Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente investiga estupro contra criança em Fortaleza — Foto: Paulo Sadat/SVM

No dia 1º de novembro, a 12ª Vara Criminal da Comarca de Fortaleza confirmou o recebimento da denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE) contra o casal e marcou a primeira audiência do processo na Justiça para 23 de março de 2020.

Documentos obtidos pelo G1 mostram que o caso foi denunciado pela mãe da garota, na Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dceca), em 10 de maio de 2019. As defesas dos réus negam os crimes e alegam que a mãe da menina inventou a história, após ser ameaçada de perder a guarda da criança.

Segundo o boletim de ocorrência, a menina revelou aos parentes ter sofrido abuso sexual após assistir a um vídeo educativo na escola e perceber o que havia ocorrido com ela. A garota contou detalhes dos atos, que muitas vezes eram acompanhados de filmes pornográficos na TV. Segundo o relato, a vítima apresentou tumores e manchas brancas nos órgãos genitais, meses antes da denúncia.

Em depoimento à Polícia Civil em 13 de maio deste ano, a criança disse que o casal fazia sexo na sua frente e também a tocava. "Disse que o coronel sempre pedia para ela que não contasse nada para ninguém, dizendo-lhe o seguinte: 'Você é só minha! Isso é só meu!'", descreve o termo de declaração da vítima, que acrescenta que o militar tinha o costume de presentear a menina e de dar dinheiro para a namorada comprar presentes para a garota no shopping.

Os exames realizados pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce) no corpo da vítima não encontraram esperma e atestaram que a membrana himenal e o ânus da criança estavam íntegros. Apesar dos resultados, a Polícia Civil indiciou o coronel Jaime Neto e Lorena de Melo, em 9 de setembro.

"Insta assinalar que a não constatação de vestígios não exclui a ocorrência de violência sexual, mormente pelo fato dos crimes contra a dignidade sexual serem praticados, via de regra, de forma extremamente efêmera e na clandestinidade, longe de eventuais testemunhas e sob ameaça ou recompensa da perpetuação do sigilo", considera o relatório final do inquérito policial.

Em outro trecho, os investigadores concluem que "a pouca idade da vítima, ao revés de diminuir a força probatória dos seus relatos, presta-se para trazer ainda mais credibilidade às suas declarações, porquanto descrevem fatos que não guardam relação com a compreensão sadia de mundo infantil".

Alegações da defesa

Ao ser interrogado pela Polícia Civil, o coronel contou que Lorena se tornou sua namorada apenas em março de 2019. Quanto à menina, somente no fim do ano passado ela teria passado a frequentar sua residência. O oficial acrescentou que tem uma filha adolescente e que se acostumou a conviver com outras crianças, familiares de ex-companheiras, sem denúncias anteriores.

Já a universitária acusada afirmou que passava os fins de semana com a menina e a levava para a casa do namorado porque a mãe da criança a abandonava sozinha em casa, inclusive sem alimentação. Ela acrescentou que já havia cobrado da mãe da menina sobre a situação e pensava em pedir a guarda da criança na Justiça, o que motivou a mulher a realizar "falsas acusações" contra o casal.

Os advogados de defesa foram procurados e não responderam sobre as acusações. No processo, os advogados Leandro Vasques, Holanda Segundo, Afonso Belarmino e Gabrielle de Melo, que representam o coronel, alegam que a mãe da vítima prestou depoimentos que trazem "versões incongruentes entre si e em clara contradição em relação àquelas aventadas pelas testemunhas".

Já os advogados Mateus Henrique Rodrigues Araújo e Wyllerson Matias Alves de Lima, defensores da universitária, afirmam que "jamais houve qualquer tipo de conduta inadequada da requerente e da pessoa de Jaime (...) muito menos qualquer odioso ato de abuso sexual". Conforme a defesa, a criança "foi induzida pela mãe para inventar as malfadadas acusações".

Denúncia aceita

O Ministério Público apresentou a denúncia à Justiça Estadual no dia 24 de setembro deste ano e rebate a versão da defesa dos réus: "inexiste, nos autos, prova minimamente razoável de que a mãe da vítima possuía motivos para engendrar comunicação falsa de crime". O órgão informou ao G1 que não pode se pronunciar sobre o processo por envolver violência sexual praticada contra vulnerável.

A acusação foi aceita pela 12ª Vara Criminal dois dias depois e confirmada no início de novembro deste ano. "Entendo que a denúncia apresentada pelo representante do Ministério Público, na presente ação penal, narra de forma satisfatória os detalhes, os fatos referentes à suposta ação criminosa e o modus operandi dos denunciados, não se vislumbrando razões pelas quais seria a denúncia inepta", considera a juíza responsável pela Vara.

"Claramente, trata-se de uma ação penal de extrema complexidade e vejo como medida indispensável a produção de provas em Juízo, especialmente a oitiva da infante", conclui a magistrada.

Reserva Remunerada

O coronel Jaime Neto informou à Polícia Civil que está nos quadros da Polícia Militar do Ceará há 34 anos e que é um "militar vocacionado". De acordo com publicações do Diário Oficial do Estado (DOE), o PM já foi comandante de um Batalhão da Polícia Militar em Fortaleza, trabalhou na segurança da presidência do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), foi chefe da Coordenadoria de Defesa Social, da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), e esteve na Casa Militar do Governo do Estado.

Na Casa Militar, o réu chefiou a Unidade Militar da Vice-Governadoria, entre julho de 2018 e junho de 2019 - um mês após o início das investigações por estupro de vulnerável. Antes, em março deste ano, o militar foi promovido a coronel. Depois, foi transferido para a Reserva Remunerada e não está mais exercendo funções na Instituição, segundo a própria Polícia Militar.

Investigação administrativa

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) informou que “determinou a instauração de Investigação Preliminar para a devida apuração do fato na seara administrativa, estando esta, atualmente, em andamento. As investigações possuem caráter reservado”.

A defesa do coronel afirmou, no processo, que o cliente "apresenta inúmeros destaques em sua trajetória profissional, ao longo da qual prestou relevantes serviços à nossa Segurança Pública". E citou um exemplo de um trabalho realizado pelo oficial, em um Conselho Comunitário, em que "foi solucionado o problema de mais de 50 crianças que se encontravam em situação de risco no Terminal da Lagoa, com o cadastramento, localização dos pais, fornecimento de alimentação e encaminhamento a abrigos".

Fonte: G1/


Russas CE plantão policial


ITAIÇABA CUMPRIMENTO DE MANDADO DE PRISÃO

Por volta das 14h30min, no centro da cidade de Itaiçaba, EUDES ANDRÉ DA SILVA OLIVEIRA, 40 anos, residente em Aracati, foi preso por força de um mandado de prisão expedido pela 1ª Vara da Comarca de Aracati, sendo encaminhado à Delegacia para os procedimentos legais.

JAGUARIBARA ROUBO

Por volta das 08h30min, no Canal da Integração em Jaguaribara, aproximadamente 08(oito) homens saíram de um matagal armados e cercaram 04 (quatro) vigilantes que estavam fazendo patrulhamento de rotina na área do Canal, onde roubaram 04(quatro) revólveres calibre 38, municiados, 04 (quatro) coletes balísticos, 03 (três) aparelhos celulares e 01(um) relógio. Os elementos após o roubo fugiram.

Erivando Lima


Quixada CE plantão policial


BANABUIU. AMEAÇA.

Dia 11/11/2019 (segunda-feira), por volta das 13h, a VTR foi acionada por uma senhora, a mesma informou que o companheiro, DAVI SOARES DE SOUSA, estava ameaçando-a e danificando os bens móveis de casa, as partes foram conduzidas a Delegacia de Quixadá, para procedimentos cabíveis, diante aos fatos o Delegado somente fez um Boletim de Ocorrência. 

SOLONÓPOLE APREENSÃO DE MOTOCICLETA.

Dia 12/11/2019, por volta das 12h, a composição do PM recebeu uma ligação relatando que no DETRAN desta Urbe, havia um veículo com mandado de busca e apreensão. A composição foi até a rodoviária e localizou uma moto Honda/CG 125 FAN, cor preta, ano 2007, constando no sistema do DETRAN, um mandado de busca e apreensão. O veículo estava na posse de P. H. A. B. O veículo foi apreendido e apresentado na Delegacia Municipal de Solonópole. 

QUIXADÁ ROUBO DE MOTOCICLETA.
Dia 12/11/2019, por volta das 19h15min, no Bairro do Boto, o Sr. C. R. B. Q. L., teve sua motocicleta uma Honda NXR 160 Bros, de cor vermelha, ano 2017, de placa POF 9729, roubada por um individuo, que transitava a pé e portava uma arma de fogo, com a qual a coagiu, o assaltante após o crime saiu em direção a esta urbe, a VTR, com apoio da VTR, foram acionada ao, e com informações repassadas pelo o Copom, diligenciaram porem ainda sem êxito. A vitima foi instruída a comparecer na DRPC, para registrar o ocorrido.

MORADA NOVA ACADO DE CADÁVER( INDÍCIOS DE HOMICÍDIO)

Dia 12/11/2019 (TERÇA-FEIRA), por volta das 14h30min, a equipe da VTR, como patrulheiro, foi informada via 190, de um achado de cadáver na comunidade serra, depois dos Patos, zona rural de Morada Nova-CE. A composição policial se deslocou até o local e, ao chegar, constatou que havia um corpo, não dando para identificar o sexo, dentro de um buraco, já em estado de putrefação. Os policiais isolaram o local e acionaram a Pefoce, corpo de bombeiros e a polícia civil para que fossem feitos os procedimentos cabíveis. O perito da Pefoce compareceu ao local e informou que, em um primeiro momento não poderia dizer a Causa Mortis. O corpo foi levado a Perícia Forense de Russas-CE.

Fonte; PM CE
Blog; Erivando Lima


Prefeito de Colatina (ES) pega fila e espera um mês para ser atendido em consulta



"Eu tenho que sentir a realidade da população. O político tem que sentir na carne o que esse povo enfrenta", afirmou.

O prefeito Sergio Meneguelli administra a cidade de Colatina, município com cerca de 100 mil habitantes localizado no coração do Espírito Santo, desde 2017. Nos últimos dois anos, ele já foi notícia aqui no Razões diversas vezes.

No ano passado, ele cancelou as festividades do Carnaval e destinou sua verba – cerca de R$ 200 mil – para a construção de uma escola rural em uma região carente de vagas para crianças e adolescentes.

“Quando a gente gosta, a gente trata bem. Eu gosto da minha cidade e eu não vejo nada demais em fazer isso aqui. Hoje é sábado, dia de relaxar, então cada sábado estamos fazendo dois, três canteiros com dinheiro que conseguimos de empresários (…) Isso vai aumentando a autoestima do cidadão, porque a minha missão é fazer esse povo ser feliz. Eu não sou prefeito, eu estou prefeito”, disse na ocasião.

Pouco depois, foi visto ‘aprontando’ novamente, pintando uma Amarelinha na rua à noite, logo após seu expediente.

Prefeito aguarda atendimento em posto de saúde

Na última quinta-feira (7), Sergio foi visto por um morador aguardando na fila de atendimento em um posto de saúde.

O encontro surpreendeu o homem, que naturalmente resgatou à memória que os políticos, em geral, frequentam luxuosos hospitais particulares, bem distantes da realidade da maioria esmagadora da população.

“Estou aqui aguardando uma consulta e foi surpreendido com a presença do prefeito Sergio Meneguelli, aguardando também como se fosse um ‘cidadão comum’.”

Imediatamente, Sergio o interrompe e diz: “Como se fosse não, meu amigo… Eu sou um cidadão comum!“. E complementa: “Tem mais de um mês que estou esperando esse exame”.

“Eu tenho que sentir a realidade da população. O político tem que sentir na carne o que esse povo enfrenta”, afirmou.

A fila anda e o prefeito se despede: “Tá chegando minha vez!“.

Sobral 24 horas
Blog; Erivando Lima