-->

20 de março de 2016

Pesquisa Datafolha mostra Marina à frente em todos os cenários para 2018


A ex-senadora Marina Silva (Rede) lidera numericamente as intenções de voto para a Presidência da República em 2018 e tem entre 21% e 24% das intenções de voto, dependendo de quem for o candidato do PSDB.

Marina, o senador Aécio Neves (PSDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são os nomes mais citados para a eleição de 2018, segundo pesquisa Datafolha feita em 17 e 18 de março.

Considerando a margem de erro do levantamento, de dois pontos percentuais para mais ou para menos, os três aparecem empatados quando confrontados entre si.

Entre a pesquisa realizada em fevereiro e a da semana passada, o ex-presidente Lula é quem mais sofreu com o cenário político do país.

Em todas as simulações em que a disputa envolve Marina e um tucano (seja Aécio, o governador Geraldo Alckmin ou o senador José Serra), Lula perdeu pontos além da margem de erro, na comparação com a pesquisa anterior.

Contra Alckmin e Serra, Lula ainda ficaria em segundo lugar, mas o ex-presidente cai para a terceira posição em um eventual confronto com Marina e Aécio Neves. Neste cenário, Lula aparece com 17%, Marina com 21% e Aécio com 19%.

Mas é o senador mineiro quem mais perdeu pontos nesta mesma simulação, caindo de 24% das intenções de votos em fevereiro para 19% agora. Em dezembro do ano passado, ele chegou a ter 27% das intenções de voto.

Em delação premiada tornada pública na semana passada, o senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) disse que Aécio recebeu propina de Furnas.

Na semana passada, em entrevista à rádio Jovem Pan, Marina Silva criticou a nomeação de Lula para a Casa Civil de Dilma Rousseff. Ela disse considerar a decisão um ato "paliativo" em meio a uma "crise sem precedentes".

"É como se o governo da presidente Dilma não caísse porque não tem para onde cair", afirmou a ex-senadora.

Globo.com

Após 10 anos, benefício médio do Bolsa Família cai e reduz poder de compra


Depois de dez anos em alta, o valor médio do Bolsa Família caiu em janeiro de 2016, em comparação ao mesmo mês do ano passado. O poder de compra dos beneficiários do programa caiu 14% em 12 meses, a maior queda desde que o programa federal atingiu a marca de 10 milhões de beneficiários, em 2006. Esse número leva em conta o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Em janeiro, o valor médio pago foi de R$ 161, R$ 6 a menos que o valor pago 12 meses antes. No período, a inflação oficial foi de 10,67%. A última vez em que houve queda nominal do valor médio foi entre janeiro de 2005 e janeiro de 2006. Segundo o governo federal, a queda neste ano deve-se ao aumento de renda declarado dos beneficiários, que reduz o valor do benefício.

Blog do Lindomar Rodrigues

Rádio Progresso foi a primeira emissora do país a migrar para o FM

André Figueiredo, Ministro das Comunicações durante entrevista na Rádio Progresso

A Rádio Progresso, de Juazeiro do Norte (CE), entra para a história da radiodifusão brasileira como a primeira emissora do país a migrar da faixa AM para FM.

A mudança de frequência aconteceu na sexta-feira (18). O evento de inauguração da nova faixa foi realizado na Praça Pública da cidade, a partir das 20h, e contou com a presença do Ministro das Comunicações André Figueiredo, além de autoridades da cidade e do Estado.

Com a publicação do decreto no Diário Oficial da União na terça-feira (15), a Rádio Progresso de Juazeiro S.A. já pode iniciar a transmissão no dial FM, estação que vai operar na frequência 97.9 FM.

De acordo com o diretor presidente da emissora, Antonio Firmino da Silva, o trabalho de transição foi árduo e envolveu muitos profissionais para deixar a rádio apta para a migração.

“Trabalhamos muito durante um ano para enviar toda a documentação necessária e fizemos a troca dos equipamentos há mais de seis meses. Realmente foi muito trabalhoso e cansativo todo o processo, mas é muito gratificante ver o resultado esperado. Hoje comemoramos, pois somos a primeira rádio a migrar no país”, afirmou o diretor.

Para Firmino a expectativa é de colocar a rádio num patamar de igual para igual com as demais emissoras. “Mudamos 70% da programação e com o tempo vamos moldando nossa grade para atender ao público ouvinte. É claro que temos um público fiel e queremos conquistar mais ouvintes. Estamos felizes com essa conquista histórica”, declarou.

Para o Ministério das Comunicações, a expectativa é de que outras emissoras que já estejam quitando seus boletos de nova outorga em FM recebam a autorização para migrarem de faixa.

Saiba mais

Mais de 200 boletos já foram emitidos para as emissoras efetuarem o pagamento da outorga. As 950 rádios do primeiro lote ocuparão o chamado espectro FM “convencional”, e devem enviar toda a documentação até o dia 24 de maio. A partir do recebimento do boleto, a emissora tem 90 dias para quitar o valor, que deverá ser pago em parcela única.

O MiniCom recebeu 1.384 pedidos de emissoras interessadas na migração. As rádios presentes no primeiro lote terão simulcasting – período de transmissão simultânea em AM e FM para adaptação da audiência – de 60 dias.

Já as 370 emissoras do segundo lote, ou lote residual, provavelmente terão simulcasting de cinco anos. O período disponibilizado para o segundo lote apresentar a documentação vai de 25 de junho a 22 de setembro.

abert.org.br