-->

9 de junho de 2017

Por 4 votos a 3, TSE decide pela absolvição da chapa Dilma-Temer; presidente segue no cargo







O voto decisivo foi dado pelo presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, que já havia indicado que votaria contra a cassação de Michel Temer ( Divulgação TSE )

Apesar de relator pedir a cassação, ministros Gilmar Mendes, Napoleão Nunes (CEARENSE DE LIMOEIRO DO NORTE ) Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira decidem absolver chapa vencedora das eleições presidenciais de 2014

   Após quatros dias de intensas explanações sobre o caso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) finalmente decidiu, na noite desta sexta-feira (9), pela absolvição da chapa Dilma-Temer na ação movida pelo PSDB contra os vencedores das eleições de 2014. Apesar de o relator Herman Benjamin defender a cassação com base em seis irregularidades, a maioria dos ministros entendeu não haver provas concretas de abuso de poder político e econômico durante a campanha presidencial daquele ano, fato alegado pela acusação.

Ao fim do julgamento, o placar acabou em 4 a 3 a favor da absolvição da chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer, que poderiam ficar inelegíveis por oito anos em caso de condenação. O voto decisivo foi dado pelo presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, que já havia indicado que votaria contra a cassação. Além dele, os ministros Napoleão Nunes Maia, Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira também votaram a favor da aboslvição da chapa, como também já era previsto. Assim como o relator, votaram a favor da cassação os ministros Luiz Fux e Rosa Weber.

Com o desfecho do julgamento no TSE, o presidente Michel Temer segue no cargo. O Planalto do Planalto e a base aliada no Congresso, inclusive, já intensificam a mobilização para barrar eventual denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer por conta da delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, naquela que deve ser a próxima batalha de Temer para se manter no poder.

Fonte DN
]