-->

15 de agosto de 2014

Corpos estavam pulverizados, afirma dentista de Campos



O dentista que há 25 anos atendia o ex-governador Eduardo Campos e sua família voltou de São Paulo sem conseguir ajudar na identificação dos corpos das sete vítimas do acidente aéreo da última quarta-feira (13).

Fernando Cavalcanti passou apenas um dia em Santos (SP) porque não era possível identificar os corpos pelas arcadas dentárias. Segundo o dentista, os corpos estavam pulverizados. "Foi impossível identificar porque não tem arcada. Só o exame de DNA vai efetivamente fazer a comprovação de quem é quem pelo estrago em que estavam os restos mortais", afirmou o dentista antes de entrar na casa do ex-governador para cumprimentar a viúva, Renata Campos.

O estrago foi muito grande, disse Cavalcanti. "A explosão foi muito grande. Você não consegue determinar qual é Eduardo, qual é o piloto, qual é o fotógrafo", afirmou. Segundo ele, restos dos se espalharam por 15 casas.

Acidente deixou sete mortos

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Henrique Accioly Campos, 49, morreu na quarta em acidente aéreo em Santos, litoral paulista, onde cumpriria agenda de campanha. O jato Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, partira do Rio e caiu em área residencial. Dois pilotos e quatro assessores também morreram, e sete pessoas em solo ficaram feridas.

Fonte: Folhapress